Variedades 2 meses atrás

A incrível e cativante fotografia de Gabriel Bianchini

Do início de sua carreira até os dias de hoje, o fotógrafo já conquistou reconhecimento e trabalhou com diversos nomes de peso do mercado

por Revista FHOX

O olhar do fotógrafo Gabriel Bianchini é daqueles que chamam a atenção e impressionam. Sua descoberta na fotografia aconteceu ainda na faculdade, quando cursava Publicidade e Propaganda. 

Na época ele comprou o primeiro livro de fotografia que mudou a sua vida. Tratava-se de um volume com capa rasgada de Miguel Rio Branco, que mostrava a incursão do fotógrafo pela periferia do Pelourinho, em 1979, na cidade de Salvador, Bahia. 

Bianchini, que já conhecia o trabalho de Sebastião Salgado, somou sua nova referência com as que possuía por folhear tomos de imagens da National Geographic. Ao mesmo tempo, ele fotografava para o jornal da faculdade e sua vontade era ganhar ainda mais repertório. 

Na hora de encarar o mercado de trabalho, preferiu trabalhar como assistente de fotografia dentro do Estúdio Mob, pintando fundos infinitos e sendo pau para toda obra ao lado de Henrique Mangeon, Wagner Kiyanitza e Luis Azevedo

Como o estúdio era alugado para outros profissionais do ramo, ele pode testemunhar, conviver e exercer o ofício com diversos fotógrafos renomados e investigar outros profissionais da agência Magnum.

Leia também: As cinco perguntas para se preparar e encarar 2020

Com isso, teve a oportunidade de passar pelas mais variadas espécies de produção de imagens, que contribuíram para a sua formação, não só como alguém habituado ao universo da moda, mas também como fotógrafo de rua e, futuramente, como diretor de fotografia de filmes. 

Bianchini trabalhou ainda como fotógrafo pela J. Walter Thompson e Wieden+Kennedy até virar oficialmente freelancer. 

Hoje, ele saiu de quatro paredes e tem a rua como seu principal cenário, onde busca significados para seus trabalhos.  Entre eles estão uma série sobre pessoas desaparecidas pela perspectiva de quem as procura, outra focada na caça aos javalis, realizada no Centro-Oeste do país, e mais uma dedicada a flagrar paradoxos urbanos no meio da sujeira de São Paulo. 

Vale a pena conferir e acompanhar o trabalho do jovem talento: