Variedades 1 ano atrás | Colaboradores

Compartilhar conhecimento é aprender mais

O cinegrafista e fotógrafo André Duarte acredita que "aprender e passar conhecimento é a melhor maneira de criar uma nova legião de profissionais mais criativos".

por Revista FHOX

O cinegrafista e fotógrafo André Duarte, da ADR Digital, escreveu para Você na FHOX para falar sobre a importância do compartilhamento de conhecimento que está tão disponível hoje em dia na internet. Segundo, ele “antigamente para que pudéssemos aprender algo novo era necessário um bom tutor ou uma boa escola, e isso era um processo caro e demorado, o que por consequência nos fazia segurar e guardar a todo custo o conhecimento que ganhávamos”.

No vídeo abaixo, de seu autoria, ele tenta mostrar que hoje “vivemos em uma era diferente”. Uma era onde milhões de pessoas publicam tutoriais e vídeos aulas gratuitamente ao alcance das mãos de milhares de pessoas e, que graças a essas pessoas que compartilharam do seu conhecimento com outras, ele mesmo pôde aprimorar muito de seu conhecimentos da Fotografia e do Vídeo. Hoje acredita que “aprender e passar conhecimento é a melhor maneira de criar uma nova legião de profissionais melhores e mais criativos”.

Texto por André Duarte, cinegrafista e fotógrafo

Esse “compartilhamento de conhecimento” me ocorreu quando em um desses dias quando a gente para para pensar na vida, ou melhor, em um dos poucos dias em que a gente tem tempo de parar para pensar na vida, eu fiz um breve resumo do que apendi nesses últimos tempos.

Estou na área de vídeo há 15 anos, quando entrei na Faculdade de Rádio e TV na Zona Norte de São Paulo, local onde nasci e cresci. Na época estava em dúvida sobre qual área seguir, como qualquer jovem, e cheguei a prestar vestibular simultâneo para a área de Ciências da Computação, mas na hora de escolher mesmo lembrei do quanto gostava de mexer na velha câmera Pentax do meu pai, e das animações toscas que eu fazia no Paint e no Gif Animator, e graças a Deus, escolhi Rádio e TV.

Logo que entrei na faculdade, consegui também emprego como Autorador de DVD em um pequena Produtora no Centro, onde assisti mais de 4 mil filmes nos 12 anos que trabalhei por lá, colocando legendas, dublagem e fazendo o link dos menus. Foi uma excelente experiência, pois meu patrão era um cara com um enorme conhecimento na área e me passou muito disso. Ele era um cara que era muito “chato no trabalho”, mas me fez aprender a ser um bom profissional, e a “fazer tudo certo da primeira vez”, como gostava de me falar, para evitar transtornos e perda de tempo.

Em 2014 decidi sair de lá, queria algo a mais na vida, pois trabalhar 12 anos no mesmo lugar me fez ganhar uma grande experiencia em uma única função que não era a que eu queria para o resto da minha vida. Eu sempre quis fazer trabalhos autorais, filmes, videos, fotografia e achava que era muito bom nisso, e que o mundo não estava enxergando todo esse meu potencial. Pouco antes de deixar a empresa, trabalhei simultaneamente para RedeTV como Webreporter. Essa função nada mais é do que um jornalista e cinegrafista autônomo que carrega uma câmera do tamanho de um celular e corre atrás da notícias.

Foi muito bacana a experiencia que adquiri lá, pois aprendi a ter iniciativa para ir atrás de um assunto e tentar contá-lo da melhor forma, já que apoio da emissora era apenas o “nome”. Dessa maneira, eu corria atrás de matérias para conseguir ganhar dinheiro, o que me fez render muitas experiencias bacanas. Gravei muitas peças de teatro, entrevistei muita gente famosa, gravei de carroceiros no Centro de São Paulo até traficantes na Cracolândia. Até de coletiva em delegacia, eu participei.

Mas devido a algumas mudanças na emissora, os assuntos que eu queria contar já não atendiam as demandas necessárias de audiência. Saí de lá e fiquei seis meses desempregado, recriminando a área de vídeo como uma área injusta. Eu me sentia um grande profissional sem uma chance. Investi na área de computação gráfica, mas não consegui grandes coisas (hoje vejo que eu não era muito bom nessa área mesmo).

Tentei trabalhar como design fazendo arte para cartões de visita, banners e até panfletagem na rua eu fiz para não perder um cliente que havia encomendando os folhetos comigo e não tinha como distribuí-los. Praticamente desisti, joguei a toalha. Vi uma vaga para corretor de imoveis na internet e aceitei uma nova etapa na minha vida. Pensava comigo mesmo que iria vender muitos imóveis, ficar rico, e talvez depois voltaria a fazer os vídeos que tanto gostava, mas não aguentei três dias com o terno e gravata da corretora, e me lembro perfeitamente de no terceiro dia, de manhã, estar sentado em um banco na rua Oscar Freire, quase chorando de desgosto por ter ido tão mal na vida, e feito escolhas erradas.

Pensei que deveria ter continuado na empresa de autoração e me aposentar por lá aos 60 anos sem ter feito nada de emocionante, mas pelo menos seguro e com dinheiro. E em seguida me veio o pensamento “Eu não vou sair derrotado! Eu sou da área de vídeo, é isso que eu gosto, e é isso que eu vou fazer!”. Voltei para casa, e no mesmo dia comecei a procurar emprego novamente na área de vídeo, dessa vez como Editor e também comecei a procurar por trabalhos de outros editores e artistas.

Me vi “sozinho” no mercado de trabalho, percebendo que eu não era nada, e que tudo aquilo que eu sabia já estava ultrapassado, e quando comparava meus trabalhos com trabalhos de outros profissionais, tinha até vergonha de apresentar algum trabalho meu. Estava com 30 anos e via caras de 16 fazerem trabalhos milhões de vezes melhores dos que os meus.

Na RedeTV eu me virava sozinho, ninguém me ajudou em nada e alguém para te passar conhecimento faz muito diferença. Alguns meses depois entrei em uma produtora como editor de vídeo por indicação de uma amiga, e logo de cara tomei a primeira lição. Sempre menosprezei produtoras que filmavam casamentos, achava brega e com pouca experiencia a passar, e foi lá onde aprendi mais sobre câmeras e edição do que na faculdade ou em qualquer outro lugar.

Ali tive contato com dezenas de outros profissionais de vídeo e foto, caras que eram bons no que faziam e me ensinavam sem qualquer problema tudo o que eu queria aprender. Fiquei um ano por lá e depois montei minha própria produtora, a ADR Digital. Ainda tenho contatos da produtora e consegui novos parceiros que me apoiam em todos os trabalhos que faço. Peguei muitos freelas como cinegrafista de casamento, edição de vídeo e fotografia de aniversário de criança.

Enquanto fiquei nessa produtora vi o cuidado que é necessário ter em um vídeo de casamento, pois aquilo é o maior momento na vida dos noivos. É necessário ser rápido para configurar a câmera e não perder nenhum momento. É necessário ser criativo para que os noivos gostem e os casamentos não saiam todos parecidos. E ainda, é preciso ter bons equipamentos pois o mercado está concorrido e a qualidade está sempre aumentando.

Logo que montei minha produtora decidi investir em aprendizado. Fiz um curso de Direção de Fotografia para Cinema e, além disso, ainda descobri o Youtube como uma excelente fonte de aprendizado. Tem muita gente boa por lá disposta a passar muito conhecimento, e é aí que eu volto ao ponto de partida desse texto, quando disse que estava pensando em tudo que aprendi até aqui.

Lembrei de todas as pessoas que me ajudaram e que me ensinaram sobre profissionalismo, e sobre a área de vídeo e foto e tentei eliminar isso e ver o que eu havia conseguido sozinho. A resposta foi: NADA. Não consegui aprender praticamente nada sozinho, em todas as áreas e em todos os momentos sempre tive alguém para me ensinar algo ou para me dar uma dica melhor sobre determinado assunto.

Na internet vemos milhares de tutoriais sobre tudo o que conseguimos imaginar, e aí me lembrei de uma frase de algum diretor famoso que ouvi um dia “Quem não gosta de ensinar os outros é porque tem medo que um dia, o seu aluno tome o seu lugar e faça o trabalho melhor do que você!. O bom profissional não tem medo disso, pois sabe do seu próprio valor!”

E essa frase foi o que mais me motivou a aprender mais e mais, para chegar ao ponto de poder ensinar. Hoje tenho grandes clientes, estou começando a investir mais e mais em tutoriais, para passar o pouco que aprendi para as pessoas que têm a mesma vontade que eu sempre tive, mas que às vezes, por coisas que ocorrem na vida, não conseguem ir na direção desejada.

Recebo muitos comentários de pessoas que têm fotografia e vídeo como hobby e que falam que já estão pensando em se tornar futuros profissionais porque graças aos tutoriais que fiz, elas podem aprender a editar os videos e melhorar cada vez mais os seus resultados. Fico muito feliz com isso. Mesmo meus vídeos ainda tendo poucos acessos, fico contente por ver que ajudei alguém, assim como fui ajudado.

Hoje trabalho principalmente como Cinegrafista de Eventos Institucionais e Publicidade, e Editor de Vídeo. Também faço imagens áreas com drone para construtoras e eventos em geral. Em redes sociais tenho apenas Youtube (ADR Digital), Instagram (adribeiro2011), e estou ainda montando um portfólio de fotografia no Flickr (ad_ribeiro).

No meu canal no Youtube além de Clipes mostrando algumas paisagens bacanas do nosso País e incentivar o turismo, eu criei uma série de Tutoriais para ensinar novos editores de vídeo a mexer na ferramenta e a organizar o material capturado, além de dicas rápidas que visam aprimorar os conhecimentos e agilizar o trabalho de cada um.

Em 2015 visitei a Feira Fotografar e achei muito legal. Vi um Youtuber que acompanho lá dando palestras (Marcos, do Zona da Fotografia), que é um cara muito legal, e aprendi muito com o canal dele.

É isso! Essa é a minha história! Nada muito grandiosa ainda. Tenho projetos para Fotografia e Cinema que estão ainda no papel, mas pretendo realizar em breve. Logo mais, mais novidades!